dreamfilm

 

Município de Cachoeira do Arari volta a contar com serviço de lancha expressa

Moradores e usuários do transporte intermunicipal de passageiros do município de Cachoeira do Arari, no arquipélago do Marajó, passam a contar com mais uma opção de viagem segura e regularizada. Na manhã desta terça-feira, 16, a Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-PA) entregou à empresa J. B. Freitas Teixeira ME a autorização para operar na linha hidroviária Belém - Cachoeira do Arari – Belém.

A ordem de serviço tem o número 018/2017 e foi entregue ao proprietário da empresa, João Batista Freitas Teixeira, pelo diretor geral da Arcon, Bruno Guedes (foto acima).

A viagem será feita pela lancha expressa Bianca Beatriz, com capacidade para 79 passageiros sentados, que sairá de segunda-feira a domingo, às 5h30, do porto de Cachoeira do Arari, em direção a Belém, aonde chegará ao Terminal Hidroviário de Belém, em trajeto com a duração de duas horas e meia. A volta para a cidade de Cachoeira do Arari será às 13h, também de segunda-feira a domingo. As passagens têm o valor de R$ 40,00 (Quarenta Reais).

Uma linha de transporte intermunicipal, direta, segura e rápida, era uma antiga reivindicação dos moradores do município de Cachoeira do Arari. No ano passado, a empresa SN Navegação iniciou a transporte de passageiros no trecho entre Belém e aquela cidade marajoara, mas fez uma pequena pausa e deve retomar o serviço em breve. 

Os proprietários da embarcação Bianca Beatriz começaram a operar no trecho, e procuraram a regularização também. Eles entraram com o pedido de autorização de serviço junto à Secretaria de Estado de Transporte (Setran), que atendeu à solicitação, visto a necessidade de haver uma viagem direta e segura entre a capital paraense e aquele município. Feita a autorização pela Setran, a Arcon ultimou os trâmites legais e regularizou a linha.

Para Bruno Guedes, diretor geral da Arcon, a Agência vê com satisfação que as empresas de transporte busquem, cada vez mais a regularização. “Estamos estimulando às empresas que se regularizem, porque assim também atendemos a uma orientação do Ministério Público do Estado, que tem um trabalho árduo, assim como nós, no combate ao transporte clandestino de passageiros. Trabalhamos, dessa maneira, pelo conforto e segurança dos passageiros”, comentou Bruno Guedes. 

 

Texto e fotos: Dedé Mesquita - Ascom/ Arcon